12 de março de 2010

Infindável existência

Escutar o disco

Desejo!

Chega ao final, procura outro e não acha.

Igual aquele, não.

Um dia de sol que se fecha.

E a chuva fina, lá fora, cai.

Escuta de novo.

O mesmo clima!

Único!

Possível para este dia.

Suspende-se.

E, por dentro,

Chora.
"Eu sempre me fascinei com o matemático indiano Srinivasa Ramanujan. Ele dizia que para resolver seus intricados teoremas era movido apenas pela beleza das equações.
Na poesia também é assim. É uma espécie de exercício do não-dizer, mas que nos dilata de beleza quando acabamos de ler um poema."


Hilda Hilst

9 de março de 2010

Vontade.

Começo.

Satisfação.

Fim.

Para a palavra: poesia!

Para o som: silêncio!

Para o desejo: coragem!

Para o amor: música!

O Céu (Mardê Lenny e Dartanhan Xavier)

Cada vez, um lugar.
Nas manhãs, encontrar.
Quero me achar sempre em seus braços,
E sempre tentar tocar o céu.
Olhe as flores, revelam a você,
Procure na noite, você pode ver.

Se eu sigo e se eu sonho,
E se fala que não está aqui,
Nem se tentar voar, fugir.
Eu buscarei tocar o céu.

O que importa se eu correr,
Não importa se eu perder,
Um dia qualquer,
Por você,

O que importa se eu fugir,
Não importa me perder,
Um dia qualquer,
Por você.

Venha para mim!
Quem tocará o céu,
Venha para mim!
Quem o tocará o céu,

Sem você! Só você!
Sem você! Ter você!
Sem você! Ser você!
Sem você! Com você!

Por você!






video

Agora

Não foste escolhida, apesar de desejar?

Masturba-se pra te encontrar

E se encontrar.

Gozo narciso sem fim

Corpo inundado de céu e de inferno.

Pensa no que foi.

No que será.

E no que poderia ter sido.

Não sei se encontrou a morte

Mas sente que a vida insiste.

Olha pra baixo e vê os pés.

Quem poderia supor!

Sequer imaginar!

Um dia desses encontrou com ele lá no alto

da serra.

E da noite!

Disseram oi!

E tchau...

Depois que fizeram amor.

- Deixe estar que um dia ela volta!

Ou não.

Quem quer saber!